Flat Preloader Icon
Notícias

Meta “abandona” metaverso e diz que foco agora é na inteligência artificial

Click here and read this news in English.

Cerca de um ano e meio após mudar seu nome de Facebook para Meta e deixar claro que ia investir pesado no metaverso, a empresa está mudando de discurso. A gigante do Vale do Silício diz estar focando agora na inteligência artificial avançada.

Em comunicado enviado aos funcionários na terça-feira (14), o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, anunciou planos para demitir outros 10 mil funcionários nos próximos meses e dobrou seu novo foco de “eficiência”.

O pivô para a eficiência, anunciado pela primeira vez no mês passado na teleconferência trimestral da Meta, ocorre após anos de investimentos pesados em crescimento, inclusive em áreas com potencial não comprovado, como a realidade virtual.

Agora, Zuckerberg diz que a empresa se concentrará principalmente em cortar custos e otimizar projetos. Construir o metaverso “permanece central para definir o futuro da conexão social”, escreveu Zuckerberg, mas não é aí que a Meta colocará a maior parte de seu capital.

“Nosso maior investimento individual é no avanço da IA e na incorporação dela em cada um de nossos produtos”, disse Zuckerberg. Ele acenou para como as ferramentas de IA podem ajudar os usuários de seus aplicativos a se expressar e “descobrir novos conteúdos”, mas também disse que novas ferramentas de IA podem ser usadas para aumentar a eficiência internamente, ajudando “engenheiros a escrever códigos melhores e mais rápidos”.

Os comentários vêm depois do que o CEO descreveu como um “despertar humilhante” no ano passado, quando a “economia mundial mudou, as pressões competitivas aumentaram e nosso crescimento desacelerou consideravelmente”.

A Meta e seu antecessor estão envolvidos na pesquisa de IA há anos, mas as observações vêm em meio a aumento do frenesi de IA no mundo da tecnologia, iniciado no final de novembro, quando a OpenAI, apoiada pela Microsoft, lançou publicamente o ChatGPT.

Para não ficar para trás, a Meta anunciou no final do mês passado que estava formando “grupo de produtos de alto nível” para “turbinar” o trabalho da empresa em ferramentas de IA.

“Acho bom focar na IA”, disse Ali Mogharabi, analista sênior de ações da Morningstar, à CNN sobre os comentários de Zuckerberg.

Mogharabi disse que os investimentos da Meta em IA “são benéficos em ambas as extremidades” porque podem melhorar a eficiência dos engenheiros que criam produtos e porque a incorporação de recursos de IA na linha de aplicativos da Meta criará potencialmente mais tempo de engajamento para os usuários, o que pode gerar receita de publicidade.

E, a longo prazo, disse Mogharabi, “muitos dos investimentos em IA e muitos aprimoramentos que vêm desses investimentos em IA podem ser aplicados a todo o projeto do metaverso”.

Mas a ênfase de Zuckerberg em investir em IA e usar as ferramentas da tecnologia para tornar a empresa mais eficiente e aumentar seus resultados também é “o que os acionistas e o mercado querem ouvir”, disse Mogharabi.

Muitos investidores já haviam reclamado das ambições e gastos com o metaverso da empresa. Em 2022, a Meta perdeu mais de US$ 13,7 bilhões em sua unidade “Reality Labs”, que abriga seus esforços com o metaverso.

Os investidores parecem receber bem a mudança de foco de Zuckerberg do metaverso para a eficiência. Após cair muito em 2022, as ações da Meta subiram mais de 50% desde o início do ano.

Angelo Zino, analista sênior de ações da CFRA Research, disse que a segunda rodada de demissões na Meta “nos deixou oficialmente convencidos de que Mark Zuckerberg mudou completamente de marcha, alterando a narrativa da empresa para uma focada em eficiências, em vez de procurar crescer o metaverso a qualquer custo.”

Fonte: Olhar Digital

Notícias

Brasil é oficialmente parte da Convenção de Haia

Click here and read this news in English

Em meados de fevereiro, foi oficializada a adesão do Brasil à Convenção de Haia para o Registro Internacional de Desenhos Industriais, após o governo depositar seu instrumento de adesão à Ata de Genebra de 1999, em dezembro de 2022. A entrada no acordo vigorará a partir de 1º de agosto deste ano.

Com sua adesão, o Brasil se tornará o segundo país latino-americano (depois do México) e o 79º membro a aderir à Convenção. Outros países americanos no acordo são Belize, Jamaica, México, São Tomé e Príncipe, Suriname, Canadá e Estados Unidos. O processo de adesão ao Sistema teve início em setembro passado, quando a Câmara dos Deputados aprovou a adesão do país por meio do Decreto Legislativo nº 274/22.

A Convenção de Haia (em vigor desde 1925) permitirá que as pessoas que tenham negócios ou produzam desenhos industriais no Brasil possam solicitar seus desenhos, a partir do Brasil, em qualquer um dos países signatários, por meio de um único pedido internacional; da mesma forma que poderão obter proteção internacional para seus desenhos no Brasil, se produzirem fora do Brasil.

Segundo a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (Ompi), os pedidos devem ter o nome do criador, não podem ser apresentados por meio do Instituto Nacional de Propriedade Industrial do Brasil (Inpi) (o pedido internacional será administrado pela Ompi) e podem incluir até 20 variantes do modelo projetado. Esses desenhos devem pertencer à mesma classe ou subclasse da Classificação de Locarno e compartilhar as mesmas características comuns. O Brasil protegerá os desenhos registrados por 25 anos.

É vedada a postergação da publicação do desenho industrial quando o Brasil tiver sido designado em pedido internacional; também é vedada a mudança de titular até que o cartório receba determinados documentos e não será permitida a inscrição no registro internacional de mudança de titularidade vigente no Brasil até que o Inpi tenha todos os documentos de certificação relacionados a essa mudança.

No Brasil, existem seis resoluções relacionadas ao desenho industrial: Resolução PR nº 232/2019, que dispõe sobre a criação do Manual de Desenhos Industriais (criado em janeiro de 2019 por meio do Ato Normativo 232/2019), e as resoluções para o trâmite célere de exame dos pedidos de registro de desenho industrial de produtos esportivos, para a entrega do certificado eletrônico de registro de desenho industrial, para a criação do módulo de Petição Eletrônica de Desenho Industrial do Sistema Eletrônico de Gestão da Propriedade Industrial, para o depósito de pedidos de registro de desenhos e pedidos de registro de indicações geográficas e para a adoção da Classificação Internacional de Locarno para Desenhos Industriais. Da mesma forma, todas essas resoluções e demais disposições constam da Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, que define o desenho industrial em seu artigo 95, e da regulamentação do Inpi.

Fazer parte do Sistema de Haia é particularmente vantajoso, pois permite que designers locais levem seus modelos para fora do Brasil e que PMEs e empresas diversas obtenham rapidamente o registro em todos os países contratantes, evitando procedimentos complexos e onerosos, fazendo um único pagamento por um único pedido em um idioma através de uma única entidade (Ompi) e com a liberdade de agendar a publicação do seu registo.

Fonte: LexLatin

Intelligent use of intellectual property rights can give prizes
Uncategorized

Uso inteligente de direitos de propriedade intelectual pode dar prêmios

Estão abertas as candidaturas aos WIPO Global Awards, um galardão destinado a Pequenas e Médias Empresas (PME), a nível global, de todos os setores da economia, que utilizem as diferentes formas de propriedade intelectual, desde o direito de autor até às marcas, patentes e indicações geográficas.

Na sua segunda edição, os prémios pretendem destacar o papel central das atividades inovadoras e criativas das PME e reconhecer os criadores, inventores e designers que atinjam os seus objetivos de negócio com base no uso eficiente dos direitos de propriedade intelectual e que, ao mesmo tempo, implementem esta inovação e criatividade em prol da sociedade.

As PME vencedoras terão direito a um programa personalizado de mentoria para comercialização de propriedade intelectual, bem como a um programa sobre acesso a oportunidades de financiamento e parcerias.

As candidaturas podem ser apresentadas até 31 de março de 2023. Os vencedores serão revelados no mês de julho.

Fonte: Sapotek